Conexão Xalingo – Blog

Tecnologia facilita a educação inclusiva

post01

Segundo o Censo Escolar do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), que foi realizado em 2015, o número de alunos com algum tipo de deficiência, no ensino regular, aumentou mais de 6 vezes em 10 anos: de 114.834, em 2005, para 750.983 em 2015. Diante desses números é preciso buscar formas de incluir as crianças com deficiência, de forma mais exitosa.

Um exemplo vem de Macaé, no Rio de Janeiro. Uma aluna de 1º ano do ensino fundamental está em investigação sobre a possibilidade de ter TDAH (Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade), pois apresentar dificuldades para concluir as atividades no mesmo ritmo de seus colegas. Para solucionar esta situação, foi utilizada a metodologia Conecturma. Ela é uma metodologia de aprendizagem de língua portuguesa, matemática e competências para a vida que reúne vários elementos, tais como livros didáticos, plataforma digital adaptativa e gamificada, desenhos animados, músicas e fantoches, cuidadosamente combinados para aumentar a motivação, o interesse e a concentração de crianças de 3 a 11 anos de idade.

Com a utilização da metodologia, a aluna já está conseguindo acompanhar os colegas e manter-se concentrada por mais tempo e estar estimulada a aprender por meio do apoio dos jogos. Segundo Rafael Parente, CEO da Conecturma, “um aluno com deficiência tende a ficar mais concentrado durante a aula quando são utilizados recursos que estimulem vários de seus sentidos de forma adequada, e a tecnologia possibilita a construção de múltiplos estímulos. Técnicas narrativas, plataforma de jogos e músicas, fantoches e outras atividades lúdicas que envolvam elementos da cultura brasileira podem ser utilizados como aliados no aprendizado de crianças com deficiência, como acontece na metodologia Conecturma.”.

Que achou da metodologia? Tem outro exemplo de metodologia/tecnologia que auxiliem na educação? Comente abaixo!

Fonte:
http://porvir.org/o-que-as-novas-tecnologias-podem-fazer-pela-educacao-inclusiva/

3 ComentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *